QUEM SOMOS


O documento de base intitulado Visão Global das Unidades Pastorais (2014) lançou as comunidades paroquiais da Diocese de Coimbra num caminho progressivo mas determinado, ao propor as unidades pastorais como um caminho de futuro. Assim, se constituiu a Unidade Pastoral de Cantanhede, atualmente formada pelas paróquias de Cantanhede, Outil e Portunhos.

CARACTERIZAÇÃO GERAL DO CONCELHO


Cantanhede tem um lugar geográfico central numa área que, num raio de vinte quilómetros, enquadra várias unidades geográficas:
- a Gândara, espraiada sobre o mar, com um horizonte entrecortado pelas nuances cromáticas da floresta e dos milheirais, onde é possível usufruir dos recantos bucólicos das nascentes, na Fervença ou em muitos outros locais, desfrutar do branco macio dos areais e do cheiro a maresia de praias que conservam intactas as suas tradições de arte xávega e apreciar os sabores apaladados da caldeirada, do robalo ou da sardinha assada na telha.
- a Bairrada, no interior, onde as estações do ano se contam pelo crescer da vinha, tem no leitão assado a melhor iguaria da sua rica tradição gastronómica e no vinho de Cantanhede o mais precioso néctar desta região demarcada (persistem ainda as referências a um amanho cuidado das encostas solarengas que fazem parte do imaginário coletivo).
- o Baixo-Mondego, a Sul, depois da passagem pelo relevo escarpado das pedreiras, onde surgem amiúde marcas das atividades relacionadas com a extração da pedra de Ançã tão apreciada pelos mais proeminentes escultores dos séculos XV e XVI, estende-se um vale fértil e alagadiço que integra os Campos do Mondego.
Com uma paisagem urbana marcada por uma certa dispersão, o Concelho de Cantanhede mantém visíveis componentes características das ancestrais formas de organização social relacionadas com atividades agrícolas de outros tempos. A este nível, perduram ainda exemplos notáveis da popular casa gandaresa, verdadeiro ex libris da arquitetura tradicional portuguesa, ou das moradias solarengas, com janelas manuelinas trilobadas ou de avental recortado, escadas de tradição setecentista e portas decoradas com brasões sabiamente esculpidos.
Historicamente, consequência da sua centralidade e acessibilidade, Cantanhede tornou-se um centro comercial importante, que favoreceu não só a existência de armazéns de venda por grosso, desde vinho a mercearias e cereais, tecidos, malhas e miudezas, mas também a realização de duas feiras mensais nos dias 6 e 20.
A destacar está a evolução artística da região que hoje integra o Concelho de Cantanhede sempre bastante unida à coimbrã, pelo facto de os artistas (como Juão de Ruão, Tomé Velho, ou José Carvalho) e os mecenas (diversas instituições de Coimbra tinham largos bens fundiários ou direitos em igrejas da região que as levava a investirem aqui - sobretudo o mosteiro de Santa Cruz, a universidade, e o cabido catedralício -, mas também os senhores de Cantanhede patrocinavam obras em Coimbra - como o Paço do Conde) que aqui atuavam serem habitualmente os mesmos que operavam em Coimbra. Foi sobretudo na atividade escultórica que Cantanhede mais se distinguiu, em particular do século XIV até ao início da centúria de seiscentos. A “pedra de Ançã”, recolhida das pedreiras situadas nas freguesias de Ançã, Portunhos e Outil, calcário oolítico do Jurássico Médio (Dogger) foi a matéria-prima chave.
Algumas indústrias artesanais já tiveram a sua importância na região, mas entretanto entraram em decadência ou mesmo desapareceram: o linho; a apicultura e a consequente extração do mel; a indústria de curtumes (na Pocariça); a indústria da pirotecnia e de fogo de artifício (Ourentã e Póvoa do Bispo); a moagem do milho. Com início nos finais do século XVIII, ao longo do século seguinte e primeiras décadas do século decorrente, floresceu na vila de Cantanhede a indústria de sinos. A importação e depósito de artigos de ouro e relojoaria fizeram deste Concelho (particularmente Febres, Vilamar, Fontinha e Balças) um dos mais relevantes do país, neste setor, feito para o qual em grande parte contribuíram os ourives ambulantes (os célebres “malas verdes”).
Atualmente, Cantanhede é o maior concelho do Distrito de Coimbra e localiza-se no centro de um triângulo geográfico de notória importância económica, em cujos vértices se situam, além da sede de distrito, as cidades de Aveiro e Figueira da Foz. Dos atuais 38.032 habitantes residentes no Município, 17.920 constituem a sua população ativa, que se distribui em 36% no sector primário, 26% no secundário e 38% no terciário.
Para além dos elevados índices de produção de batata, leite e recursos florestais, Cantanhede tem na vitivinicultura a atividade com maior expressão e visibilidade, fruto do reconhecimento que os seus vinhos alcançaram como verdadeiro ex libris da Região Demarcada da Bairrada.
Entretanto, o Concelho enfrenta atualmente um processo de expansão económica que está a permitir ultrapassar os constrangimentos decorrentes da histórica dependência dos sectores agrícola e comercial, consubstanciado numa profunda transfiguração do tecido produtivo, em resultado do número significativo de empresas que se têm vindo a instalar nas zonas industriais de Cantanhede, Murtede, Febres e Tocha.
No decurso da evolução registada, assume particular relevância o Biocant Park, único parque de biotecnologia existente em Portugal. Por outro lado, a realização da EXPOFACIC (Exposição/feira de agricultura, do comércio e da indústria de Cantanhede) que habitualmente vem congregando cerca de 500 expositores, 45 tasquinhas e exposições culturais, e proporcionando grandes espetáculos de música, são prova do grande dinamismo dos habitantes da região e da sua capacidade de unir forças.

ENQUADRAMENTO HISTÓRICO


CANTANHEDE
O topónimo Cantanhede vem da raiz celta cant, que significa “pedra grande”, e relaciona-se com as pedreiras existentes na região. Daqui nasceu o primitivo “Cantonieti”, mencionado na documentação dos séculos XI, XII e XIII também com as grafias “Cantoniedi”, “Cantonidi” e “Cantonetu”.
As suas primeiras referências históricas remontam a 1087, data em que D. Sisnando, governador de Coimbra, a teria mandado fortificar e povoar. Segundo alguns autores, D. Afonso II terá dado foral a Cantanhede, posteriormente confirmado pelo foral outorgado por D. Manuel I, em 20 de Maio de 1514.
Foram seus donatários os Meneses, tendo sido D. Pedro de Meneses o primeiro Conde de Cantanhede, título nobiliárquico criado por D. Afonso V por carta datada de 6 de Julho de 1479. O título seria depois renovado por Filipe II, em 1618, na pessoa de seu neto e pai de D. António Luís de Meneses, 3.º Conde de Cantanhede e 1.º Marquês de Marialva, que se notabilizou nas Batalhas de Linhas de Elvas e Montes Claros e que foi um dos vultos mais importantes da Restauração de 1640.
Das personalidades de vulto associadas a Cantanhede merecem especial referência o Capitão Pedro Teixeira, conquistador da Amazónia, D. João Crisóstomo de Amorim Pessoa, prelado, distinto orador sacro e Arcebispo Primaz de Braga entre 1876 e 1883, Jaime Cortesão, médico, historiador e ensaísta, Carlos de Oliveira, escritor e poeta, António de Lima Fragoso, pianista e compositor emérito, Augusto Abelaira, escritor, e Maria Amélia de Magalhães Carneiro, pintora.
OUTIL
Desde cedo a freguesia de Outil terá contado com a presença humana, como o comprova um imponente dolmén (estrutura funerária), localizado no sítio da Moita. Da época de domínio romano, em meados do século passado, foi descoberta uma necrópole, englobando uma dezena de sepulturas, numa pedreira do sítio da Gândara.
Alguns moradores antigos guardam ainda na memória referências ouvidas de seus antepassados a uma torre – chamada a “Torre do Castelo” – que restaria do corpo desaparecido dum castelo, cujas ruinas ainda se podem apreciar. Este vago registo etnofolclórico, a confirmar-se, poderá eventualmente aludir a uma construção de época medieval, do tipo das casas-torres, espécie de residências senhoriais fortificadas.
A Grande Enciclopédia Luso-Brasileira defende que, na idade média, Outil foi sede de um couto (propriedade pertencente a membros do clero) de que eram donatários os Correia de Sá (Asseca) cujo prior recebia, na época, a quantia de 200 mil reis de renda. A importância do mencionado couto pode aferir-se pelo facto de dispor de justiças próprias, autoridades e empregados. Mais tarde, já no século XVI, em 20 de Dezembro de 1519, o rei D. Manuel I concedeu mesmo a Outil o seu foral, no qual atribuía aos seus moradores determinados privilégios e regulava a sua administração própria, reconhecendo um certo grau de autonomia. Um curioso cruzeiro de armoriado capitel, no largo de Outil, poderá mesmo testemunhá-lo.
Relacionada com a época e contexto das Invasões Francesas, de inícios do século XIX, a mesma fonte bibliográfica defende existir em Vila Nova de Outil uma enorme trincheira artificial, com dois metros de altura e cerca de um quilómetro de comprimento que teria servido para impedir ou retardar a progressão dos exércitos napoleónicos, aquando das invasões francesas, no reinado de D. João VI, sítio esse que é conhecido como Bombarda.
Atualmente, em Outil, predomina ainda a agricultura, com produções de vinho, trigo, milho, leite, azeite e frutas; enquanto em Vila Nova, a atividade predominante é a extração de cantaria.
PORTUNHOS
O primeiro documento que faz referência a Portunhos é de 1080, com a grafia toponímica “Portunica”. A Ribeira de Ançã é o seu principal curso de água, que consta ter sido navegável até Portunhos, e lhe teria valido a alegada designação primitiva de “Portinhos” (posteriormente alterada, a partir do século XVI, para a sua atual forma). Um outro ribeiro, de menor expressão e conhecido pela designação de “Olho da Fonte”, banha a parte oriental da freguesia, onde se implantarão os aglomerados populacionais da Pena e de Vale de Água e diversos engenhos de moagem.
A freguesia fez parte integrante do termo concelhio de Ançã (numa carta foralenga, datada de 1371 e mandada exarar por D. Fernando, este monarca, ao fazer a doação de jurisdição da vila de Ançã ao então Conde de Barcelos, D. Afonso Telo, menciona a localidade de Portunhos como integrante desse termo) até à respetiva extinção desta antiga circunscrição, a 31 de dezembro de 1853, altura em que transitaria para Cantanhede.
A exploração do calcário (brita, rachão, calçadas, cantarias) é a principal fonte de rendimentos da população. Da pedreira d’El Rei saiu a matéria-prima que, pelas suas características únicas – maciez, alvura, plasticidade – tem sido usada, desde a Renascença, na arquitetura (Hotel Palace do Buçaco) e na escultura. No lugar da Pena, no sítio chamado Pardieiros, foi descoberto em 1991 um “tesouro” de cerca de duas mil moedas romanas, datadas dos finais do séc. IV e inícios do séc. V.
A Freguesia de Portunhos, mais precisamente o lugar da Pena, viveu também a sua Revolta da Maria da Fonte (assim chamada naturalmente pela semelhança que teve com o levantamento do Minho). Lê-se em “O Marialva”: “Tratava-se de dar execução à lei que institui os cemitérios, acabando com os enterramentos dentro das igrejas. O primeiro enterramento no cemitério, que era o do cadáver de uma criança, provocou tal indignação no mulherio que o sino, chamando a rebate, pôs todas as mulheres em pé-de-guerra! Nem o Padre (…) nem o administrador do Concelho (…), que foi desrespeitado e ofendido, conseguiram acalmar a revolta feminina (…). Vieram tropas de infantaria e da cavalaria para dominar o tumulto; e só passados dias, e depois de cenas violentas, é que as tropas conseguiram acalmar os revoltosos, que foram presos em grande número e condenados no Tribunal de Cantanhede”. O cortejo fúnebre que então se dirigia para o cemitério de Portunhos foi interrompido de assalto por uma mulher que leva os restos mortais da criança para a igreja da Pena, a que de pronto toda a população se junta e protege, impedindo que enterrem a criança em Portunhos. Estes acontecimentos remontam ao ano de 1867.

FESTAS RELIGIOSAS HABITUAIS


PORTUNHOS
˃ FESTA DE S. JULIÃO
No domingo entre 9 e 15 Janeiro
Missa, às 15h00
˃ FESTA DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA (Festa dos Caracóis)
No fim de semana a seguir ao 12/13 de maio
No sábado, procissão de velas, às 22h00
No domingo, missa seguida de procissão, às 15h00
˃ FESTA DE S. JOÃO BATISTA
No dia 24 de junho
Missa na Capela de S. João, pelas 17h30
˃ FESTA DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS (de dois em dois anos)
Meados de Agosto
No domingo, missa seguida de procissão, às 16h00

PENA
˃ FESTA DE NOSSA SENHORA DA ESPERANÇA (dos solteiros)
No fim de semana a seguir à Páscoa
No sábado, 11h30 procissão da antiga escola, 12h00 missa, 16h00 procissão por duas ruas
˃ FESTA DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
Num fim de semana em maio
No sábado, procissão de velas, às 22h00
No domingo, missa seguida de procissão à volta da capela, às 15h00
˃ FESTA DE S. PEDRO
No primeiro fim de semana de agosto, após a Expofacic
No sábado, missa e procissão nas três ruas, às 15h00

OUTIL
˃ MISSAS NAS CAPELAS DE STA RITA E DE S. PAULO
Nos domingos mais próximos de cada um dos dias dos santos é celebrada missa campal, à mesma hora de domingo, nas capelas em vez de ser na igreja matriz
˃ FESTA DE SANTA MARIA MADALENA
No dia 22 de julho
11h30 procissão da capela de Santa Rita, 12h00 missa, 18h00 procissão
Cerca de dois dias antes é antecedida de procissão de velas pelas 21h30 da igreja para a capela

VILA NOVA
˃ FESTA DE NOSSA SENHORA DA ESPERANÇA
No segundo fim de semana de agosto
Sexta, às 22h00, Procissão de velas
Domingo, 16h30 missa, e às 18h00 procissão (passando por quadros vivos)

CANTANHEDE
˃ ROMARIA E FESTA DE SANTA MARIA DE VAGOS
Segunda a seguir ao Pentecostes, em Vagos
09h00: Concentração no largo de St António em Vagos
10h00: Saída da procissão
11h00: Missa (presidida pelo Bispo de Aveiro)
13h00: Almoço partilhado
15h30: Concentração
16h00: Terço (presidido pelo pároco de Cantanhede), terminando com bênção do Bodo, e lanche
Terça a seguir ao Pentecostes, em Cantanhede
17h00: Lanche no parque
21h00: Missa, seguida de procissão e pregação no exterior
˃ DIA DE S. JOÃO BATISTA
Dia 24 de junho
Missa na Capela de S. João às 10h00
˃ FESTA DE S. PEDRO
Dia 29 junho
21h00 Missa seguida de procissão
˃ FESTA DE S. MATEUS
Dia 21 setembro
11h00 missa, 16h00 terço, 21h00 leilão
˃ DIA DE S. TIAGO (feriado municipal em Cantanhede)
Dia 25 julho
Missa às 10h00 na Capela de S. João

LEMEDE
˃ FESTA DE S. JORGE
fim de semana mais perto do dia 23 de abril
Sábado, missa e procissão de velas, às 21h00
Domingo, missa, procissão e passagem da bandeira, às 15h30
Segunda, missa pelos defuntos, às 21h00

PÓVOA DA LOMBA
˃ FESTA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES
Dia 5 de agosto
Missa às 11h00 e procissão às 17h00
Missa nos dois dias seguintes

SÃO JOSÉ - COMUNIDADE
˃ DIA DE S. JOSÉ
Dia 19 março
Missa às 20h30 [seguida de procissão de velas]
˃ FESTA DE S. JOSÉ
Num fim de semana de agosto
Tríduo preparatório com 20h00 confissões e 20h30 missa
Domingo, missa e procissão às 17h00

VARZIELA
˃ DIA DE SANTA APOLÓNIA
Dia 9 fevereiro
Missa pelas 20h30 [seguida de procissão de velas]
[No domingo seguinte missa às 15h00 seguida de procissão]
˃ FESTA DE SANTA APOLÓNIA
Dia 15 de agosto
Missa e procissão às 17h00

Menu

PERCURSOS DE FÉ

CRIANÇAS E ADOLESCENTES


Catequese
A Catequese trata-se de uma iniciação cristã integral, que afeta todas as dimensões da vida cristã; como uma educação iniciática ordenada e sistemática, quanto à doutrina que transmite; com um conteúdo que não é apenas doutrinal, trata-se de uma boa notícia capaz de dar sentido último à existência humana a partir das suas mais profundas experiências (CT 21-22).
Neste sentido, «a finalidade última da catequese é pôr as pessoas não apenas em contacto, mas em comunhão, em intimidade, com Jesus Cristo» (CT 5), favorecendo o conhecimento da fé, a educação litúrgica, a formação moral, e o assumir de uma atitude orante e contemplativa.
A Catequese da Infância e Adolescência, ao serviço deste crescimento, é uma ação gradual, que se consubstancia num conjunto de catecismos para um itinerário de 10 anos e de guias, correspondentes, destinados aos catequistas. São instrumentos de trabalho, a utilizar em estreita relação com as famílias e com as comunidades cristãs de referência dos catequizandos.
Plano de Ação Catequética da UPC

Educação Moral e Religiosa Católica
A Educação Moral e Religiosa Católica, em linha com as convicções dos encarregados de educação ou dos alunos, é parte integrante do sistema educativo, uma vez que o enquadramento moral e religioso da vida é estruturante para o crescimento das crianças e dos jovens, constituindo um universo de referência a partir do qual se estrutura a personalidade e se adquire uma visão do mundo equilibrada e aberta ao diálogo com mundividências alternativas.
A Educação Moral e Religiosa Católica contribui igualmente para o reforço da matriz cultural portuguesa. Nesta perspetiva, o programa de Educação Moral e Religiosa Católica estabelece pontos de contacto entre a cultura portuguesa, nas suas vertentes literária, patrimonial e artística e a mensagem cristã.
Assim, é de evidente interesse para a educação das crianças e dos jovens a existência de uma disciplina que, embora mantendo o seu carácter facultativo, dada a sua natureza confessional, tenha como objectivos fundamentais educar para a dimensão moral e religiosa e para a compreensão dos elementos mais profundos da cultura nacional, necessariamente aberta ao mundo.
Programa de EMRC

Corpo Nacional de Escutas
O Corpo Nacional de Escutas é uma associação de educação não-formal, cuja finalidade é a educação integral de crianças e jovens de ambos os géneros, com base em voluntariado adulto, em conformidade com as finalidades, princípios e métodos concebidos pelo Fundador do Escutismo – Lord Baden-Powell of Gilwell – e vigentes na Organização Mundial do Movimento Escutista, e à luz do Evangelho de Jesus Cristo, segundo a doutrina da Igreja Católica Romana, que professa, assume e difunde.
Site do Agrupamento 382-Cantanhede


JOVENS


Equipa de Animadores
Dinamiza o HolyPitcher, atividade de férias da Páscoa que decorre na Casa do Poço, em Outil, com o objetivo de proporcionar: aventura, desafios, e diversão; laços de amizade; desenvolvimento da autonomia e da capacidade de viver com o essencial; e a possibilidade de aprofundar a fé e a relação com Deus. Destina-se aos alunos de EMRC ou catequizandos entre o 7° e o 10° ano.
Grupos Juvenis de Vida Cristã
Cristo às Carradas (Outil) e Cantar-Te (Cantanhede)
Plataforma “Vinde e Vede”
“Rede social” para jovens, entre os 18 e os 30 anos de idade, que procuram iniciativas no âmbito da pastoral juvenil. Tem por objetivo: divulgar e promover iniciativas (paroquiais; locais; diocesanas; nacionais; e internacionais); ajudar no discernimento vocacional de cada um; e ser facilitadora de contactos e oportunidades. A plataforma pretende ajudar a realizar a mesma experiência que fizeram quantos, sentindo uma inquietação diante de si mesmos, da vida, e de Deus, aceitaram o convite de Jesus: “Vinde e vede”. Esta “plataforma” é gerida por um casal e pelo pároco.


ADULTOS


Iniciação cristã e Catequese de Adultos
Percurso de três anos, dinamizado por uma equipa, que tem por base o Catecismo da Igreja Católica e o livro do Secretariado Nacional de Liturgia “Catequeses para a Iniciação Cristã dos Adultos”. Independentemente da vontade ou não de receber os Sacramentos da Iniciação Cristã ou de frequentar todo o percurso, qualquer pessoa pode participar pontualmente em qualquer dos temas pelo qual se sinta interessado.
Grupo Paroquial de Casais
Grupo de casais que reúne habitualmente uma vez por mês para conviver, rezar e meditar um tema, e pôr em comum a sua vivência familiar. Este grupo ocupa um lugar de relevo na dinamização da pastoral familiar da Unidade Pastoral, dinamizando a Festa dos Casais Jubilares e promovendo iniciativas de oração, sensibilização e formação das famílias.
Equipas, Grupos e Movimentos
˃ Equipas de Nossa Senhora
As Equipas de Nossa Senhora (ENS) são um movimento de espiritualidade conjugal cujo objetivo é ajudar os casais a viver plenamente o seu sacramento do Matrimónio, anunciando ao mundo os valores do casamento cristão pela palavra e pelo testemunho de vida. São uma escola de formação para casais cristãos unidos pelo sacramento do Matrimónio. Apesar de não ser um movimento mariano, as ENS recebem o nome de Maria, colocando-se sob sua proteção.
˃ Oratórios da Sagrada Família
A sagrada Família é um pequeno oratório portátil que encerra as imagens de Jesus Cristo, Maria e José, e onde são depositadas esmolas destinadas à celebração de uma missa por intenção de toda a população do lugar, em honra da Sagrada Família. O oratório circula pelos lares do lugar que demonstrem vontade em o acolher, permanecendo habitualmente em cada casa 24 horas. Trata-se de uma tradição católica que é bastante antiga em Portugal, que visa ajudar cada família a imitar a Sagrada Família, favorecer a oração em família, e estimular laços de vizinhança.
˃ Apostolado da Oração
Na sua longa e rica tradição de 175 anos, os Centros do Apostolado da Oração são um movimento laical com estrutura diocesana própria; são responsáveis por difundir e rezar pelas intenções do Papa na comunidade onde se inserem. Motivam as comunidades para a importância e celebração do culto eucarístico, da espiritualidade do Sagrado Coração de Jesus e do serviço à comunidade.
˃ Cenáculo do Imaculado Coração de Maria
Grupo de oração ao Imaculado Coração de Maria que se reúne em cenáculo com Maria, sendo o momento mais importante a consagração que se faz e se renova semanalmente para com Maria. A inspiração deste movimento, criado em 1972, vem do padre italiano Stéfano Gobbi durante uma visita a Fátima.
˃ Grupo de oração “Amor e Paz” do Renovamento Carismático
O Renovamento Carismático Católico visibiliza-se sobretudo em grupos de oração que visam: promover uma conversão pessoal madura e contínua a Jesus Cristo, Senhor e Salvador; propiciar uma abertura decisiva à Pessoa do Espírito Santo, à Sua presença e Seu poder, promovendo a cultura de Pentecostes como apóstolos da Efusão do Espírito Santo; fomentar a receção e o uso dos dons espirituais (carismas) não apenas no RCC mas também em toda a Igreja; impulsionar a obra da evangelização no poder do Espírito Santo, incluindo a evangelização daqueles que não pertencem à Igreja, a reevangelização dos que são cristãos nominais, a evangelização da cultura e das estruturas sociais; fomentar o crescimento progressivo na santidade através da participação na vida sacramental e litúrgica, através do apreço pela tradição de oração e espiritualidade católicas e de uma formação progressiva na doutrina católica guiada pelo Magistério da Igreja e pela participação no plano pastoral da Igreja.
˃ Liga Eucarística
A Liga Eucarística é um Movimento Eclesial de Leigos, sob orientação e em cooperação com a Hierarquia, e dedica-se a promover intensa e organizadamente, o fim santificador e apostólico de Cristo. A partir de 13 de janeiro de 1972 a Liga passaou a ser uma Secção Autónoma do Apostolado de Oração, e aberta a ambos os sexos. Os principais atos coletivos, estatutariamente estabelecidos são: participação comunitária e mensal na Santa Missa de testemunho e de reparação eucarística e, ao mesmo tempo, realização concreta do lema «União de Cada Um com Cristo e União de Todos n’Ele»; participação mensal na reunião «Cenáculo», considerada essencial para a vitalidade do Núcleo.
˃ Liga Intensificadora da Ação Missionária (LIAM)
A LIAM é um dos movimentos laicais mais antigos em Portugal, tendo sido fundado pelos Missionários do Espírito Santo, em Fátima, a 13 de maio de 1937. É um movimento de leigos que procura dar visibilidade e vivência à dimensão missionária da nossa Igreja em Portugal e ao mesmo tempo apoiar a Missão que se faz além-fronteiras, por meio da oração, reflexão, organização de campanhas, e concretização de iniciativas solidárias.
˃ Conferência de S. Vicente de Paulo
Movimento, sem fins lucrativos, que procura suprir necessidades básicas das pessoas mais desfavorecidas e carenciadas, por exemplo por meio da distribuição de cabazes alimentares e da gestão do alojamento nas residências do Bairro Vicentino.
˃ Irmandades e Confrarias
Tratam-se de Associações Públicas de fiéis que prosseguem os seguintes fins: a santificação dos seus membros; a promoção ao culto ao Santíssimo Sacramento; a ajuda espiritual aos Irmãos; a colaboração na ação evangelizadora da Igreja, segundo os meios que lhe são próprios. Para isso, promovem a formação cristã dos irmãos, através de encontros, cursos, palestras, retiros e de outras iniciativas que visem o aprofundamento da fé, o espírito de operação, o crescimento na caridade e a co-responsabilidade eclesial; fomentam uma especial devoção à Santíssima Eucaristia, designadamente pela participação na Missa dominical e pela devoção muito particular ao Santíssimo Sacramento; participam nas festas e procissões em honra do Santíssimo Sacramento e naquelas para as quais a Irmandade (ou Confraria) for convidada; colaboram, em união com outros organismos pastorais, no anúncio do Evangelho, segundo as orientações diocesanas e paroquiais.


CELEBRAÇÃO DA FÉ

SACRAMENTOS


Batismo
Processo preliminar: tratar nos horários da Secretaria.
Preparação: Reunião para pais e padrinhos, na primeira sexta-feira do mês, às 21h00.
Celebração: habitualmente na missa dominical em cada igreja matriz.
Para saber mais sobre o Batismo
Para receber o Batismo contactar a Secretaria Paroquial

Eucaristia
Horário de missas habituais
De terça a sexta-feira ˃ 08h30: Cantanhede
Terça-feira ˃ 17h00: Hospital
Quarta-feira ˃ 19h30: Lemede, Póvoa da Lomba, S. José, Varziela
Quinta-feira ˃ 19h30: Vale de Água, Portunhos, Pena
Sexta-Feira ˃ 19h30: Outil, Vila Nova
Sábado ˃ 18h00: Póvoa da Lomba, Varziela, Misericórdia
19h15: Lemede, Pena, S. José
21h00: Cantanhede
Domingo ˃ 09h00: Portunhos
10h15: Outil
11h30: Cantanhede
Missas por intenção ou Aniversários de Casamento
Ordinariamente integram-se nas missas habituais.
Para saber mais sobre a Eucaristia
Para receber a Primeira Comunhão ou a Comunhão no Domicílio contactar a Secretaria Paroquial


GRUPOS E SERVIÇOS LITÚRGICOS


Leitores
Indicações para Leitores.
Coros
Indicações para o exercício da função.
Acólitos
Manual.
Ministros Laicais
Ministros Extraordinários da Comunhão (MEC), Animadores das Assembleias Dominicais sem celebração da Eucaristia (AAD), e Orientadores da Celebração das Exéquias (OCE).
Indicações para Ministros Laicais
Zeladoras
Limpeza da igreja, arranjo das flores dos altares, zelo dos panos e vestes usados na liturgia.
Indicações para o exercício da função.


MISSAS TEMÁTICAS


Missa do Dia da Unidade Pastoral de Cantanhede
Na proximidade da Festa de S. Mateus.
Missa do Estudante
No início de ano universitário.
Missa com bênção de grávidas e seus filhos em gestação
No dia 8 de dezembro.
Missa com bênção das imagens do Menino Jesus
No terceiro domingo do Advento.
Missa com Casais Jubilados
Na festa da Sagrada Família.
Missa de S. Valentim
No sábado mais próximo do Dia dos namorados.
Missa do Dia da Criança
Integrada no Dia da Criança do Município.
Missa do FolkCantanhede
Integrada no Festival organizado pelo Cancioneiro de Cantanhede.


SERVIÇO DA CARIDADE


Comissão Justiça e Paz
Grupo de reflexão e debate sobre temas de Doutrina Social da Igreja.
Grupo sócio-caritativo
Equipa dinamizadora de iniciativas de âmbito sócio-caritativo.
Assistência espiritual no Hospital e Centros Sociais
Esta assistência é feita sobretudo pelo capelão. No caso do Hospital, é de particular destaque o importante papel do grupo de voluntários existente.


Propostas Locais de Formação


Conferências Quaresmais
Tema 2016: Misericórdia
[Cartaz]
Tema 2017: Mensagem de Fátima

Tema 2018: Os jovens, a fé e o discernimento vocacional

Grupo Bíblico
Costuma reunir mensalmente para meditar alguns textos bíblicos.
Oficinas de Oração e Vida
O fundador das Oficinas de Oração e Vida, Frei Ignácio Larrañaga, explica que elas são o que hoje em dia se chama comumente de uma nova evangelização.
1ª característica: ensina-se a orar de uma maneira ordenada, metódica, sistemática, e sobretudo de uma maneira experimental e prática. E isto desde os primeiros passos até a contemplação transformante.
2ª característica: existe através da reconciliação universal uma profunda purificação de todas as mágoas, feridas, tristezas e agonias mentais. Elimina-se lentamente tudo isto mediante uma oração especial: a dita oração de abandono. Com o tempo, curam-se as feridas da alma, e chega-se à paz bíblica: a presença de todo o bem e a ausência de todo mal. As pessoas são levadas à paz bíblica de uma maneira sistemática, ordenada, eficaz e metódica.
3ª característica: o processo de santificação cristificante; Jesus Cristo colocado como modelo de vida, utilizando-se para isso do questionamento "o que faria Jesus no meu lugar?". Insistentemente, quase obsessivamente, procura-se ser humilde como Jesus, paciente, dócil e, sobretudo, amar como Jesus amou.
4º característica: insiste-se que amigos de Jesus Cristo são apóstolos de Jesus Cristo, e entrega-se isso aos oficinistas, às paróquias, aos párocos, para que possam realizar trabalho apostólico concreto em suas paróquias. A dimensão apostólica é "a última conclusão" das Oficinas.
Em resumo: trata-se de um programa de conversão sincera que se prolonga não apenas durante a Oficina, mas ao longo da vida.


PROPOSTAS DE ORAÇÃO


Adoração Eucarística
Semanalmente, numa das igrejas ou capelas da UPC.
Romagem anual ao Cemitério
Em dia de Todos os Fiéis Defuntos
Lectio Divina
Nos tempos fortes.
Via Sacra
Em Sexta Feira Santa. Dinamizada pelas Equipas de casais da UPC.
Via Lucis
No Tempo Pascal. Dinamizada pelos catequizandos do 9º ano.
Abertura do mês de Maria
No dia 1 de maio.
Romagem à Senhora de Vagos
Na segunda e terça feira após a Solenidade do Pentecostes.


Propostas Lúdico-Culturais


Ciclo de concertos sobre os Cânticos Evangélicos
Neste ano pastoral de 2018/2019 a UPC propõe, em colaboração com o Coro D. João Crisóstomo, a organização de três concertos relativos a cada um dos Cânticos Evangélicos, a saber: a 02 de dezembro de 2018, sobre o Benedictus, o cântico de Zacarias, na igreja de Portunhos; a 03 de fevereiro de 2019, sobre o Nunc dimittis, o cântico de Simeão, na igreja de Outil; e a 26 de maio de 2019, osobre o Magnificat, o Cântico de Maria, na igreja de Cantanhede.
Ciclo de cinema: 4as feiras Clássicas

As “4ªfeiras clássicas” são um projeto que visa, por um lado, proporcionar à população do concelho de Cantanhede a visualização obras cinematográficas de reconhecida qualidade, num horário durante a semana de trabalho, com uma periodicidade mensal, e, por outro lado, recolher fundos para o jornal Boa Nova, enaltecendo o relevante serviço que a publicação presta à comunidade. Este ciclo de cinema nasce no início de 2016 pela ligação do seu responsável Vasco Espinhal Otero ao jornal Boa Nova, enquanto escritor de artigos de opinião desde 2000 e, segundo o próprio, “pela vontade em retribuir ao jornal a oportunidade que me deu para me expressar desde bastante jovem e contribuir para valorizar e manter esta entidade regional”.
Convívio de Equipas da Visita Pascal
Espaço de confraternização entre todas as pessoas que colaboram na Visita Pascal.
Grupo de Teatro S. Pedro
Grupo de pessoas que habitualmente participa com uma peça de teatro no Ciclo de Teatro Amador do Concelho de Cantanhede, e com uma marcha nas Marchas Populares em Cantanhede.
Passeio anual
Do álbum de recordações constam: o Passeio de moliceiro pelos canais de Aveiro e visita ao Lugar dos Afetos (2016); a Peregrinação à Terra Santa (2017); a Viagem à Índia (2018); e a Viagem ao Centro da Europa (2018).


PONTES PARA UM (RE)ENCONTRO COM DEUS


Cursos de Cristandade
O Movimento de Cursilhos de Cristandade teve início no singular contexto social, económico, político e religioso da Espanha nas décadas de 1930-1940. A iniciativa deveu-se à Juventude da Ação Católica Espanhola (JACE) da Diocese de Palma de Maiorca, encorajada pelos seus assistentes eclesiásticos e pelo seu Bispo, D. Juan Hervás. O Cursilho destaca-se por ser um Movimento eclesial voltado a um primeiro anúncio explícito do ideal evangélico apresentado por Jesus Cristo (kerigma), com o propósito de despertar novas lideranças - preferencialmente, cristãos batizados que estejam afastados da Igreja -, a fim de que se tornem evangelizadoras de suas realidades particulares (denominadas "ambientes"). O mecanismo característico de proclamação da mensagem do Movimento é marcadamente vivencial, testemunhal, simples, honesto e transparente.
Percurso Alpha
O percurso Alpha é uma introdução à fé cristã, em dez semanas seguidas, uma noite por semana e um fim de semana a meio do percurso. O percurso Alpha é para todos os que tenham curiosidade, professem ou não a fé cristã. As palestras são pensadas para encorajar o diálogo e a partilha num ambiente familiar, aberto e informal. Todas as questões são bem vindas e todos são livres de partilhar tanto quanto desejem, seja muito ou pouco. Não há pressão, não há custos nem obrigatoriedade de fazer o percurso até ao fim: as pessoas são convidadas para o primeiro jantar e em cada semana decidem se vão ou não ao seguinte.
Apoio à Reestruturação Familiar

Oferta de ajuda nas áreas do acompanhamento, discernimento e integração comunitária, para pessoas em situação de alterações familiares, tais como: separação, divórcio, união de facto, violência doméstica, aborto, adoção, doença, luto/morte de um familiar.
É importante ter a capacidade de pedir ajuda e de se deixar ajudar nestes casos. Numa fase inicial, o apoio é dado por uma psicóloga clínica com especialização em Mediação de Conflitos Familiares e/ou por uma médica. Ambos com a garantia de sigilo.
Para obter esta ajuda basta contactar diretamente a psicóloga Dina Branco (pelo telemóvel: 969400400 ou por mail: ) ou a médica Joana Seabra (pelo telemóvel: 964546686 ou por mail: ).
Ilumine a Cidade
Junte-se a nós, durante o mês de outubro, Mês das Missões, para uma noite de oração e evangelização de rua. Após um tempo de oração, equipas de voluntários vão às ruas e convidam os transeuntes a entrar na igreja para acender uma vela, ficar tranquilamente em oração diante do Santíssimo Sacramento e conversar com um padre. Poderá ser voluntário de uma destas formas: ser um evangelizador de rua, encontrando e convidando outras pessoas; ser adorador, passando algum tempo na igreja em oração durante a noite.


SENTIR DIOCESANO


DOCUMENTOS ORIENTADORES
Carta Pastoral “Aproximai-vos do Senhor”
Plano Pastoral Diocesano 2017-2020
INICIATIVAS
Abertura do Ano Pastoral
Jornadas Pastorais
Retiro Diocesano do Advento
Jornadas de Formação Permanente
Retiro Diocesano da Quaresma
Dia da Igreja Diocesana
Peregrinação Diocesana a Fátima
OFERTAS FORMATIVAS DIOCESANAS
A Diocese de Coimbra tem uma proposta de formação a aproveitar, com a Escola de Teologia e Ministérios e a Escola Diocesana de Música Sacra. Porque saber não é uma obrigação só dos padres. E porque muito mais dificilmente os cristãos participarão ativamente na vida da Igreja se não tiverem formação. Todos os cursos desta oferta formativa funcionam no Seminário Maior de Coimbra aos sábados dos períodos letivos normais. Ofertas formativas [ficheiro].



Related news

Busqueda y afirmacion de la identidad del
Como hacer medialunas para celiacos que
Language techniques in hamlet's first soliloquy meaning
Energize2lead profile questionnaire
Bus turistico buenos aires buquebus ferry
Jean jaures ecole primaire quebec
Presidium indirapuram carnival conquest
Samba de roda batuque de terreiro
Accommodative dysfunction vision therapy
Qabus boutique airlines